Os melhores de 2012 da Televisão brasileira



Foram entregues nesta terça-feira, 12 de março, no Teatro do Sesc Pinheiros em São Paulo, os prêmios aos melhores de 2012 nas artes, eleitos pela APCA - Associação Paulista dos Críticos de Artes. Foi um linda festa apresentada por Marília Gabriela e Herson Capri.




Faço parte da diretoria da entidade, formada por jornalistas que de forma voluntária promovem anualmente encontros para discutir e, no final do ano, apontar os destaques em 11 categorias.
Na APCA desde 1998, faço parte do grupo de jurados de Televisão, área que desde os anos 90 venho cobrindo profissionalmente - já trabalhei no Grupo Folha (jornal Folha da Tarde, área de cultura e shows), revistas Tela Viva e Pay-TV (especializadas em produção audiovisual e em TV por assinatura), e Meio&Mensagem (comunicação e publicidade). Desde o ano passado, atuo como jornalista free lancer para, entre outras, as mesmas publicações para as quais já trabalhei (exceto a Folha da Tarde, que já fechou).

Aqui, eu no palco do Teatro Paulo Autran, no Sesc Pinheiros, ao microfone explicando alguns dos prêmios. Á esquerda estão: um dos diretores da CSN - Cia. Siderugica Nacional (patrocinador da festa), o Alberto Pereira Jr., da Folha de S. Paulo, e a Cristina Padiglione, de O Estado de S. Paulo. No canto à direita, Antonio Tabet, mais conhecido como Kibe Loco, criador do Porta dos Fundos. No centro, a mesa com os desejados troféus, uma escultura em bronze feita pelo artísta plástico Francisco Brennand.

Então, conto a seguir um pouco sobre por que eu e meus colegas de APCA (André Mermesltein, Alberto Pereira Jr., Cristina Padiglione e Leão Lobo) neste ano escolhemos os seguintes como os melhores do ano de 2012 em Televisão (reproduzo em parte os textos que escrevi para a Revista da APCA - 2013).

Um ano diferente
  
Em 2012,  a internet entrou na TV pra valer. Ou foi a TV que migrou para a web? Seja como for, nada mais é como antes na televisão: a novela mais comentada na rua também o foi nas redes sociais. Outra trama estimulou o telespectador a procurar o videoclipe na rede. E o riso sob demanda, ao alcance de um click, agora nos prende ainda mais na segunda tela – seja ela do computador ou do celular.


Grande Prêmio da Crítica: Avenida Brasil (TV Globo) - autor:João Emanuel Carneiro; direção: Ricardo Waddington, Amora Mautner e José Luiz Villamarim
 
#OiOiOi foi a “hashtag” do ano, o identificador que nas redes sociais indicava que estava começando a novela. O maior mérito da criação de João Emanuel Carneiro foi o de extrapolar a fronteira do folhetim, levando a “Avenida” para a rua, de verdade. 


Acima, o diretor geral de "Avenida Brasil", Ricardo Waddington, José de Abreu, a diretora Amora Mautner, Adriana Esteves e o diretor José Luiz Villamarim; à direita, Adriano Civita, da produtora Pródigo, de FDP.
 
Seriado: FDP (Pródigo/HBO Brasil)
É de espantar que no país do futebol pouca ficção se crie sobre o tema. E é com grata surpresa que se vê nesta série uma abordagem pelo lado mais “maldito” do esporte, em que o árbitro assume o protagonismo, numa produção primorosa.


 
Humorista: Marcelo Adnet (MTV Brasil)
Talento recente da televisão com repertório vastíssimo e grande capacidade de atuação, Adnet traz em si a verve do comediante em estado puro. Seu programa de viagens foi um verdadeiro passeio pelo riso.

Atriz: Adriana Esteves (Avenida Brasil/TV Globo)
Quem não viu ou ouviu falar de Carminha não viveu plenamente 2012. A vilã da trama foi magistralmente incorporada, mostrando o amadurecimento e total entrega da atriz. Definitivamente, ela está inscrita na galeria das maiores da nossa TV.Adriana também já levara um troféu APCA em 2000.



 Acima, a inesquecível Carminha. E a Cristina Padiglione a reverencia na entrega do troféu APCA 2012.

Ator: José de Abreu (Avenida Brasil/TV Globo)

Ele tinha um papel secundário na trama, de ar asqueroso, condenado à repulsa. No entanto, foi desse limão que José de Abreu moldou uma saborosa limonada, transformando seu Nilo (“Ih Ih Ih”) num dos personagens mais emblemáticos de Avenida Brasil.   




Foi mesmo muito gratificante dar este prêmio ao Zé de Abreu.


Programa de Comédia: Porta dos Fundos (YouTube)
Audaz, ágil, irônico. O canal de humor instalou-se na internet para conquistar o riso na rede, com argumentos inteligentes e pouco explorados pela TV convencional. Assim, a talentosa trupe do Porta dos Fundos em pouco meses se tornou o grande fenômeno da web – atualizado duas vezes por semana! 

Revelação: Filipe Miguez e Izabel de Oliveira - autores de Cheias de Charme (TV Globo)
Num ano em que Avenida Brasil atraiu todas as atenções, uma dupla nova de autores despontou com uma trama redonda, das mais acertadas da teledramaturgia recente. Tudo em Cheias de Charme fluiu, e pela primeira vez uma novela soube muito bem se aproveitar dos recursos de transmídia.



Quem será que vamos escolher em 2013? Veremos muitas horas ainda de TV até a próxima eleição, em dezembro!

Postar um comentário

0 Comentários