As benditas sacolinhas


Não, este texto não é meu. Eu nem queria que ele fosse amante das letras e da escrita, pra não correr a tentação de querer ser jornalista - este ofício do qual sofremos tantas mazelas. Como toda mãe, prefiro que seja engenheiro, cientista, médico. Mas enfim, leva jeito....
.........................


                Meu mundo desabara desde a proibição do uso de sacolinhas plásticas em São Paulo, no começo deste ano.
                O pânico havia sido antecipado desde que a proibição era uma mera proposta. Meu estoque de saquinhos biodegradáveis foi triplicado devido à iminente crise que estava por vir; não me culpo por “roubar” tantas sacolinhas do mercado, pois, afinal estavam “de graça”.
                Mas nem minha inigualável coleção resistiu aos tempos difíceis que se sucederam. Acostumara-me desde pequeno a utilizar as sacolinhas para tudo, desde sacos de lixo a verdadeiras embalagens para guardar o gelo que resfriava meus machucados.
                Sentindo fortemente a crise do abastecimento de sacolinhas plásticas, entrei em profunda melancolia: o mundo não era mais o mesmo e, desorientado, já não sabia como resolver meus problemas mais simples como, por exemplo, o que eu teria de usar para recolher as fezes de meu cachorro na rua.
                Por sorte, ou ironia, minhas angústias foram embora quando, pela noite, abri o jornal e nas manchetes encontrei um feixe de luz em minhas trevas. A juíza que interrompera a distribuição das aclamadas sacolinhas as permitira novamente, por apenas um mês, mas por tempo suficiente para eu criar um novo estoque para a vida, já que nem a ciência, até agora, conseguiu resolver o meu problema.
                                                                                                                                                             Patrick Nasser


Postar um comentário

0 Comentários